02/09

Se a ideia de uma boyband de 13 membros tomando o palco do Terminal 5 em Nova York não soa realista, o SEVENTEEN apareceu para provar o quão possível (e divertido) um show assim pode ser e, ao mesmo tempo, mostrar que suas metas vão muito além de lotar a venue mediana.

Para seu show debut em NYC na noite de domingo (27/08), que também serviu como última data de show nos EUA da turnê mundial Diamond Edge, os membros apareceram no palco com suas silhuetas sendo iluminadas por luzes rosa e azul no telão de LED. Em instantes, o palco inteiro se iluminou, revelando cada membro da banda com seu terno de cores diferentes, o primeiro passo tomado para estabelecer as identidades unicas entre os membros. Logo com os primeiros números, os extravagantes “Pretty U”, “Beautiful” e “Adore U”, o grupo se mostrou determinado a distinguirem-se do Seventeen que os fãs estão acostumados a ver na TV, acrescentando detalhes divertidos nas coreografias e modo com que cantavam as músicas, tudo enquanto ainda se mostravam coesivos uns com os outros.

Após mostrarem performances marcadamente sincronizadas de “Still Lonely” e a divertida “Very Nice” (com vários woah’s acrescentados), os meninos começaram a mostrar seus diferentes talentos em grupos menores (ou “sub-units”), conhecidos como Hip-Hop Unit, Vocal Unit e Performance Unit.

Esse último foi o primeiro a se apresentar, os membros Jun, Hoshi, The8 e Dino apresentando uma interessante coreografia de “Swimming Fool” de seu último álbum, Al1. E não seria a única vez que o quarteto maravilharia o público, com os high-kicks de Highlight atuando como ponto principal da mais impressionante performance da noite.

As units se provaram um ponto importante ao acrescentarem uma variedade inovativa ao show, o público podia pular e gritar junto com a Hip-Hop Unit enquanto Vernon, Wonwoo, Mingyu e um S.Coups particularmente animado apresentavam suas mixtapes e lasers brilharam por cima de todos que assistiam. O público também foi satisfeitamente serenado pela Vocal Unit (Woozi, Seungkwan, Jeonghan, Joshua e DK) com as emotivas We Gonna Make it Shine e Habit. Os meninos ainda ofereceram junções inesperadas quando Jun e The8 – os dois membros chineses do grupo- performaram seu dueto My I com uma coreografia cheia de toques interessantes como ginástica e um longo tecido conectando os dois meninos, fazendo da performance o momento mais fascinante do show.

Apesar dos diferentes sentimentos transmitidos durante a noite – conectados pelos maravilhosos vídeos mostrados no telão entre os vários atos – o show ainda se mostrou extremamente coesivo. Por fim, as performances mais destacadas da noite foram as músicas apresentadas pelo grupo inteiro, como “Rock” e “Chuck”, e o mais recente single “Don’t Wanna Cry” que recebeu os gritos mais altos da noite toda.

Os membros também se mostraram perfeitamente sincronizados enquanto diziam seus adeus ao público com praticamente todos os meninos expressando que gostariam de voltar a se apresentar em Nova York (“Definitivamente voltaremos” o nativo nova-yorkino Vernon disse ao público antes de Mingyu falar sobre “a próxima vez que nos encontrarmos”), enfatizando um show ainda maior e mais impressionante no futuro (Wonwoo previu que verão os fãs em um “lugar maior e melhor”).

Assim, a mensagem por trás dos planos para o futuro do SEVENTEEN pode ter se mostrado quando Hoshi expressou seu espanto ao ver tantos fãs de K-Pop e suas esperanças para que o K-Pop vire um fenômeno mundial “algum dia”. O show de Nova York mostrou como esse grupo não é apenas um passageiro na Korean Wave que vem tomando o mundo, e que é um grupo com muitos a mostrar e metas muito maiores a alcançar. E com esse debute esgotado em NYC, essas metas se mostram cada vez mais perto de serem alcançadas graças ao incrível foco que eles possuem em seus estilos de performance individuais e multifacetados.

Fonte

TRAD
ing/pt-br: Gio – Seventeen Brasil