Categoria: Entrevistas
17/06

Seventeen

O SEVENTEEN debutou há apenas dois anos, mas o grupo multifacetado e multinacional já ganhou com os críticos e dominou os charts.

Quando o novo mini-album Al1 do grupo de K-Pop de 13 membros, SEVENTEN, se tornou um dos TOP 10 álbuns mais vendidos na semana de lançamento de um boygroup, foi fácil se perguntar quando diabos a banda — que só debutou em maio de 2015 — se tornou um real competidor. Mas o grupo multinacional, composto de nove coreanos, dois chineses e dois américo-coreanos, tem arrasado desde o começo: seus singles delirantemente otimistas já marcaram um número em prestigiadas premiações musicais incluindo um Mama e dois Seoul Music Awards, eles coreografam muitas de suas músicas e escrevem várias de suas próprias letras, e Woozi de 20 anos de idade (nome verdadeiro Lee Jihoon) se tornou um compositor poderoso, tendo co-escrito quase todos as músicas que o SEVENTEEN já lançou.

O SEVENTEEN se apresenta tanto como um time (todos com habilidades vocais e de dança) quanto com três units dedicadas às forças individuais dos membros: ‘hip hop’ (S.Coups, Vernon, Wonwoo e Mingyu), ‘vocal’ (Seungkwan, Jeonghan, Joshua, Dokyeom e Woozi) e ‘performance’ (Dino, Jun, The8 e Hoshi). Originalmente foi previsto como um grupo de 17 membros que debutaria em 2013, mas ao invés disso a empresa do grupo, Pledis, começou a transmitir o Seventeen TV, seguindo a vida de 11 trainees pra construir uma fanbase inicial. Seventeen TV durou por 5 temporadas, com uma porta giratória de membros potenciais que foram aparecendo antes de eles oficialmente estrelarem com o dançante estilo funk-lite de “Adore U”.

Seu cartão de visita foi e se tornou a brincalhona e otimista batida vistas em “Boom Boom”, “Mansae”, e o estalar de suspensórios e explosão de confete de “Very Nice”, onde suas personalidades estralaram através da tela. Ainda assim, desde seu primeiro mini-álbum ’17 Carat’ em diante, suas músicas têm um balanço astuto — cada álbum é eclético, indo de um pop com sensibilidades retrôs à baladas acústicas e híbridos de pop/hip hop, para dar a cada subunit uma chance de brilhar enquanto empurra e mantêm, simultaneamente, os parâmetros do SEVENTEEN como um time singular.

É um pouco assustador ver quão rápido essas transições foram refinadas e seu som se diversificou, com Al1 — o quinto lançamento deles em dois anos — continuando de onde a faixa do álbum de 2016, “Highlight” parou e criando uma incursão totalmente voltada para música. Lideradas pelo o single enganador “Don’t Wanna Cry” (uma emocionalmente ressonante incursão na batida eletrônica ocidental com delicados e emocionais vocais aquecidos por sua improvida e elegante produção), suas seis faixas se unem sem falhas. Todas as músicas podem se destacar independentemente, desde a tropical house “MY I” (A primeira música da então nomeada China Line, Jun e The8) a um rumo soulful house em “Crazy in Love”. Mesmo a única balada, uma versão atualizada do R&B dos anos 90, usa seu sentimento e pré refrão para se encaixar perfeitamente entre as outras. Nós conseguimos pegá-los durante sua agitada agenda (onde eles recentemente conseguiram sua terceira vitória nos competitivos e poderosos programas musicais da Coreia do Sul) para conversar sobre progressão musical, sucesso, independência e chegar a marca de aniversário de dois anos.

Quando ouvimos pela primeira vez, Al1 parece muito diferente de seus álbuns anteriores, mas agora parece um amadurecimento natural. Como vocês veem, comparado ao seu álbum anterior?

S.Coups: Eu acho que esse álbum está repleto de músicas que mostram mais nossos sentimentos, comparado aos álbuns anteriores. Eu acho que mais pessoas irão se identificar, o que permite os ouvintes realmente sentirem a diversidade do SEVENTEEN.

Woozi: Se você olha superficialmente, muitas pessoas podem pensar que esse álbum é muito diferente, mas foi baseado em nosso crescimento e (em alguns casos), não é muito diferente de nossos lançamentos passados – as letras novas e inteligentes do SEVENTEEN estão muito presentes, no single e nas outras faixas, e não estão faltando cores em Al1, só é mais profundo. Al1 está cheio de músicas que mostram infinitas possibilidades ao SEVENTEEN, que iremos desenvolver no futuro.

Hoshi: Enquanto trabalhávamos nesse álbum, eu fiquei bem surpreso com as possibilidades que se abriram para nós. Eu acho que esse é o álbum que mostra o que juntamos enquanto produzindo músicas e praticando regularmente. O fato que o conceito desse álbum foi tão diferente dos nossos lançamentos anteriores foi certamente algo que ficou na minha cabeça, mas enquanto produzíamos e praticávamos, eu notei que não importa o tipo de música ou performance que fazemos – enquanto formos SEVENTEEN, então estaremos apenas expressando coisas do nosso jeito.

Woozi, ‘Don’t Wanna Cry’ tem uma forte influência de ‘Closer’, do Chainsmokers e as outras faixas (exceto por ‘Habit’) tem uma base de eletrônica. Você estava com vontade há um tempo de experimentar uma criação com uma vibe abrangente como essa? Além disso, você tem seu estúdio pessoal, então você (ou alguém) já deu um nome para ele?

Woozi: As faixas nesse álbum são definitivamente de um gênero e ânimo que eu gosto e queria experimentar. Eu acho que você pode dizer que essa foi a chance de mostrar mais dos meus talentos escondidos? Foi por isso que eu contemplei mais que o normal em como fazer isso funcionar com o SEVENTEEN. E eu ainda não dei um nome para meu estúdio, mas todos chamam o estúdio, que está no segundo andar do escritório da nossa empresa, de ‘segundo andar, sala do Woozi’ ou simplesmente de ‘Sala do Woozi’.

Hoshi, você esteve envolvido na composição de duas batidas de dança – ‘Highlight’ e ‘Swimming Fool’. Você grava um ritmo ou leva uma ideia ao Woozi ou ao Bumzu (produtor primário do SEVENTEEN)? Ou eles te pedem para ajudar em faixas específicas? Você também está trabalhando na sua própria faixa, ‘Hurricane’. Como você brincou sobre isso em programas de variedade, foi uma surpresa ouvir que você ia realmente gravar, então o que você pode divulgar sobre isso?

Hoshi: ‘Highlight’ surgiu durante a nossa turnê asiática ano passado. Eu escrevi como eu me sentia sobre os nossos fãs e o quão emocionado e grato eu estava, e depois de discurtir com o Performance Team e com o Bumzu, conseguimos nos divertir muito produzindo a faixa. Com ‘Swimming Fool’, eu queria criar uma faixa que fosse legal e divertida e combinaria com o verão, mas para ‘Hurricane’, para conseguir manter as expectativas altas, eu estou tentando manter segredo! (ri)

Os 13 trailers de Al1 estavam lindos, melancólicos e misteriosos. Vocês gostam do elemento da atuação em vídeos? Qual membro do grupo vocês acham que faz isso melhor?

DK: Eu tentei mostrar um lado muito triste de mim nesse vídeo, e eu sinto que todos os membros se esforçaram muito para mostrar esse sentimento, e é provavelmente por isso que saiu bem natural. Todos nós 13 nos saímos muito bem focando no que estávamos fazendo, então é difícil escolher um membro específico. Todos estavam super bons!

Joshua: Eu acho que nossa atuação ficou muito natual porque o diretor era muito bom em tirar as emoções de nós de um jeito bem relaxado. Mas ainda assim, atuar em si foi difícil. Acho que Jun foi o que ficou mais confortável e o que se divertiu mais porque ele é o que tem mais experiência quando se trata de atuar.


“Nós nunca pensamos que iríamos receber tanto amor” — Seungkwan, SEVENTEEN



Dino, enquanto vocês estavam filmando ‘Don’t Wanna Cry’ em LA, o SEVENTEEN teve aulas de coreografia no famoso Millennium Dance Complex. Como um membro do Performance Team, você deve ter ficado muito feliz de ter essa oportunidade. Quando foi a sua parte favorita da experiência?

Dino: Pudemos ir onde alguns dos dançarinos mais renomados do mundo treinam e aprender dançar muito diferentes, mas o que eu realmente gostei foi que conseguimos entender sobre o processo de aprender uma dança, assim como estar em um ambiente relaxado. Tem tantas memórias ótimas, mas o que eu lembro mais são os outros alunos com quem estudamos. O jeito que eles se expressam na dança é tão diferente do nosso que aprendemos muito com eles.

Jun, vamos discutir o dueto ‘My I’ com o The8. Como isso apareceu? E qual foi sua reação à música sendo inclusa no álbum?

Jun: Começamos a trabalhar em ‘My I’ para que eu e The8 praticássemos nossa pronúncia coreana, mas a música ficou melhor do que o esperado e foi colocada nesse álbum. Fiquei extremamente impressionado, eu quero estudar mais coreano para poder me desafiar a escrever em outra música.

The8, você e Jun escreveram a letra de ‘My I’ em mandarim, que foi traduzida para coreano, certo? Teve alguma dificuldade? Qual foi a história ou o significado por trás dela, porque ela parece um pouco triste.

The8: Eu originalmente escrevi a letra em chinês e o Bumzu me ajudou a traduzir. Levou perto de 2 dias para escrever, e Jun me ajudou um pouco. Honestamente, não teve nada de triste sobre escrever a música, foi na verdade bem divertido. Eu fiquei emocionado por um filme que eu vi e me inspirei nisso. Eu pensei sobre como uma versão futura e bem sucedida de mim estava esperando pelo meu eu atual. Eu coloquei fé no fato de que, se eu continuar a dar o meu melhor, um dia eu realmente vou conhecer essa versão bem sucedida, e esse foi o sentimento que eu quis retratar nessa música.

Vocês são bastante independentes como artistas por estarem fortemente envolvidos com suas músicas/performances. Quais são as vantagens e quando isso parece uma dificuldade?

S.Coups: O fato de nós mesmos produzirmos nos dá mais tempo para os membros conversarem entre si, e através dessas interações somos capazes de desenvolver esse ótimo trabalho em equipe presente no SEVENTEEN. Os membros são tão bons em seguir com o que decidimos que não parece termos dificuldade alguma.

Como vocês estão com os outros membros por tanto tempo, como se sentem quando estão longe deles? Quanto tempo levam antes de mandarem uma mensagem ou ligarem para alguém?

Jeonghan: É claro que nos sentimos um pouco vazios quando estamos separados, por normalmente estamos sempre juntos, mas ainda parece que estamos juntos, pois fazemos chamadas de vídeo, ligamos ou mandamos mensagens sem parar.

97da8717-be42-4214-b83d-e0844410f47c

Com tantos membros sendo recrutados nas ruas (por olheiros) ao invés das tradicionais audições, quem levou mais tempo para decidir se juntar e quem disse sim direto? E quais pais ficaram felizes ou mais relutantes de autorizar vocês a começarem a treinar?

Jeonghan: No meu caso, ambos os meus pais e eu dissemos sim, e todos ao meu redor ficaram muito felizes por mim.

Mingyu: Pensei sobre isso por um bom tempo. Eu ainda era jovem mas me preocupava sobre me tornar um trainee e conseguir ter sucesso. Eu pensava bastante sobre isso, na verdade.

Seungkwan: Meus pais permitiram que me tornasse um trainee muito rápido e estavam muito felizes, assim como eu.

Vernon: Meus pais disseram que eles me viam entrando nesse ramo enquanto me viam crescer. Eles não sabiam os detalhes desse tipo de trabalho que eu faria, mas sabiam que eu estaria nessa indústria e estavam mais felizes com isso do que qualquer outra pessoa.

Esse álbum parece que será o lançamento mais bem sucedido do SEVENTEEN e esteve entre os álbuns com os maiores número de vendas durante a primeira semana de uma boy band. Como vocês se sentem com essa conquista? Vocês sentiram que esse álbum seria tão bem recebido?

Seungkwan: Nós nunca pensamos que iríamos receber tanto amor. Mas enquanto preparávamos esse álbum, os membros deram o seu melhor ao participarem, tendo constantes encontros sobre isso e pensando junto a equipe da nossa agência também. Eu acho que é provavelmente por isso que nós tínhamos um pouco mais de expectativas. Eu quero muito dizer que todos os envolvidos realmente foram acima e além (do esperado).


“Meus pais disseram que eles me viam entrando nesse ramo enquanto me viam crescer… sabiam que eu estaria nessa indústria” — Vernon, SEVENTEEN



A versão remasterizada de ‘Check In’ (um lançamento da subunit Hip Hop Team) foi incluída no Al1 — vocês ficaram insatisfeitos com a versão original? E liricamente, vocês tiveram um tanto a dizer sobre suas carreiras e jornada de vida. Vocês podem nos falar mais sobre essa música?

Wonwoo: ‘Check In’ reflete como nós nos sentimos durante nossa última turnê pela Asia. É uma música que foi feita para expressar aos nossos fãs como nos sentimos enquanto visitávamos todas essas várias e diferentes cidades.

Mingyu: Nós a remasterizamos porque queríamos que ela tivesse um nível maior de completude em comparação ao lançamento na mixtape. Como o Wonwoo disse, ‘Check In’ reflete como nos sentimos na turnê, e essa música é nossa forma de retribuir nossos fãs, mostrando o quão gratos estamos.

Vernon: ‘Check In’ é a que eu mais gosto de todas as músicas que a Hip Hop Team já lançou. É uma música que exprimiu cada uma das pequenas emoções e pensamentos que tivemos durante aquele tempo, e eu quero ser capaz de fazer muitas outras músicas como essa no futuro.

O SEVENTEEN celebrou recentemente seu aniversário de dois anos. Olhando para si mesmos, como vocês acham que estão diferentes, desde o debut até agora? E, em um sentido maior, como vocês acham que o time está mudando?

Dokyeom: Conforme o tempo passa, nós sentimos mais responsabilidade em relação às nossas performances e à necessidade de nos tornarmos artistas de quem nossas fãs tem orgulhos. Eu pessoalmente acho que melhoramos muito em expressar o sentimento de uma música durante a performance. Eu penso muito em como mostrar uma versão melhor de mim mesmo, e eu acho que esses pequenos detalhes me ajudam a crescer. Todos os 13 membros cresceram muito internamente, e tentamos ao máximo mostrar melhores performances e versões de nós mesmos.

73eac362-6854-4bee-b379-992eb21023a7


Vernon, em “유행가 (Hit Song), uma de suas partes na música é: ‘Eu sei que não sou o melhor rapper, não sou bom com palavras.’ Desde a gravação, no ano passado, seus sentimentos sobre si mesmo mudaram?

Vernon: Quando eu penso sobre isso, eu não acho que mudei muito desde então. A parte que segue essa é: ‘Mas eu tenho algo baby; eu não quero mostrar para você tão facilmente.” – Eu acho que desde novo eu tive uma personalidade bem distinta, e tenho fé nessa individualidade. Então eu penso em como mostrar melhor essa individualidade.

Joshua, embora você tenha treinado por dois anos, o que ficou com você como algo que te surpreendeu ou que você não se sentia preparado para fazer uma vez que o SEVENTEEN começou a promover?

Joshua: Ao invés de não me sentir preparado, eu simplesmente sentia que faltava algo nas minhas expressões faciais. Para superar isso, eu comecei a praticar bastante minhas expressões no espelho!

Mingyu, você participou de um desfile na Seoul Fashion Week recentemente – como foi fazer isso, especialmente com a sua unit na primeira fila? Alguém te fez assistir Zoolander, e você faria de novo?

Mingyu: Na verdade, eu assisti muitos vídeos de desfiles em Paris e Milão. Eu me preocupei muito antes porque queria mostrar um lado bom, mas uma vez que eu subi na passarela, foi muito divertido. Eu gostaria de tentar ganhar mais experiência e ser ainda melhor se for convidado novamente.

Finalmente, todo o grupo tem seus anéis do SEVENTEEN, mas quais membros são os reis de perder os anéis?

S. Coups: Todos os membros, incluindo eu, quase nunca tiramos nossos anéis, 365 dias no ano, 24 horas por dia. Então não tem nenhum risco de perdermos. Eu acho que todos sentimos que os anéis se tornaram parte de nós.

Fonte: Dazed (x)
TRAD
Ing/Pt-br: Duda, Jubs, Laís e Vee – Seventeen Brasil


25/05

P1. Por favor, façam um cumprimento pelo seu primeiro e mais novo comeback em 2017.

SC: Say the name! Olá, é o SEVENTEEN. O SEVENTEEN voltou com o seu quarto mini-álbum, Al1. Nós estamos muito felizes de poder trazer músicas novas para todos no ano de 2017. Nós mostraremos uma boa imagem a vocês e fazer o nosso melhor em cada apresentação.

P2. Como vocês têm estado todo esse tempo? Nós estamos curiosos sobre isso.

T8: Recentemente, eu tenho acordado cedo e feito muitas coisas. Meu interesse em aprender inglês cresceu, então eu tenho estudado e lido livros durante meu tempo livre, além de ver alguns filmes. Também estou trabalhando muito com exercícios físicos e, às vezes, ando de skate. E a coisa mais importante, eu tenho me preparado para o comeback.
MG: Eu trabalhei duro na produção e na prática da dança para me preparar para esse quarto mini-álbum. Eu passei meus dias repetidamente indo da empresa pro dormitório, da empresa pro dormitório para ficar pronto para o comeback.
HS: Depois das promoções do nosso último álbum com BOOMBOOM, nós tivemos um fanmeeting na Coreia e shows no Japão. Depois das apresentações, nós trabalhamos muito nos preparando para o álbum e, com o objetivo de receber novas inspirações, tivemos uma experiência cultural. Nós fomos para LA para gravar e descansar, além de receber aulas de dança.

P3. Por favor, introduzam o novo álbum, Al1.

WZ: O quarto mini-álbum do SEVENTEEN traz uma sequência ao SEVENTEEN Project. É por isso que, nos trailers lançados antes do comeback, membros que estavam sozinhos e tristes tinham conexões com outros membros. O álbum mostra o desenvolvimento e crescimento da imagem masculina que o SEVENTEEN tem exibido todo esse tempo. Eu acredito que nós seremos capazes de mostrar um lado mais maduro e desenvolto do que temos mostrado até hoje.

P4. Que tipo de música é faixa principal “Don’t Wanna Cry”?

SC: A faixa título dessa vez, Don’t Wanna Cry, mostra uma imagem muito diferente da que o SEVENTEEN tem mostrado até hoje. Se a imagem anterior falava sobre como um garoto conhece os sentimentos do amor, então “Don’t Wanna Cry” é uma música sobre sentir tristeza profunda pela primeira vez na vida. Isso expressa a devastação e o sentimento de desespero de não querer perder tudo ou alguém quando esse momento puder chegar.

P5. A qual música cada membro se sente mais apegado?

DN: De qualquer forma, eu me sinto muito apegado a faixa principal, Don’t Wanna Cry.
HS: Eu também escolho Don’t Wanna Cry com o Dino.
WZ: Habit da Vocal Unit!
T8: Entre as faixas, tem uma música chamada My I, que é minha e do Jun-hyung. Eu pessoalmente escrevi a letra e, enquanto a escrevia, tive muitas preocupações, por isso sou bem apegado a ela.
JH: Eu sou mais apegado em Habit da Vocal Team, a música é ótima.
DK: Habit pra mim também. É diferente das músicas da Vocal até hoje. Acho que é uma canção mais completa e pesada. Para se preparar para essa música, os membros da Vocal Team trabalharam muito duro, então eu estou mais apegado a essa música, fico ansioso em pensar se nossos fãs também gostarão dela.
SK: Eu me sinto mais apegado a música principal, Don’t Wanna Cry. É um conceito que nós queríamos mostrar e nossos fãs podem sentir.
SC: Pessoalmente, eu gosto muito da música Habit da Vocal Unit, mas se isso é sobre apego, então tem que ser IF I do Hip Hop Team.
WW: Don’t Wanna Cry. É o estilo que eu gosto.
J: Swimming Fool! É a nossa primeira vez fazendo uma música tão viva entre as músicas da Performance. Você pode se sentir mais feliz e animado ouvindo essa canção.
JS: Don’t Wanna Cry. Eu estou apegado porque é uma música que mostra um lado diferente nosso.
VN: Mais que apegado, tem uma música com a qual estou satisfeito. É Swimming Fool, da Performance Team. Eu fui atraído por essa música mesmo antes dela estar completa ou com um nome. Mas até com o título, é totalmente o meu tipo! É uma música da qual tenho inveja entre as faixas das outras units.
MG: Eu estou apegado a IF I do Hip Hop Team já que compus, produzi e gastei muito tempo nela.

P6. Existe alguma música que, infelizmente, foi tirada do álbum?

SC: Nós produzimos muitas músicas nesse meio tempo, mas, ao invés de tirar algumas, só chegamos a conclusão de que elas não combinavam com esse álbum, então estamos guardando elas!

P7. Se é o SEVENTEEN, então é um grupo de performances incríveis! Existe algum ponto principal na coreografia da faixa título?

DN: Acredito que o ponto principal da coreografia são os movimentos com as mãos e agir como se estivéssemos tentando nos segurar a algo, o que expressa bem o desejo de não querer chorar. Nós temos orgulho em dizer que esta é uma performance excepcional, e por isso espero que vocês aguardem ansiosamente por ela!

P8. Vocês filmaram o MV em L.A., houve algum episódio especial que ocorreu durante as gravações?

DN: Há uma cena no MV na qual um deserto aparece, como as filmagens tinham que ser feitas num local árido e inabitado, tivemos que ir de carro. Eu me lembro que tivemos que rodear a área pois era um local difícil de ser encontrado.
WW: Enquanto filmávamos o MV, houve vários episódios, mas eu me lembro de filmarmos no deserto e como as cobras podem aparecer por lá, nos disseram para sermos cuidadoso, então estávamos sempre olhando onde pisar enquanto íamos até as áreas seguras.

P9. Por favor, nos falem sobre os pontos a serem apreciadas nesse mv.

DN: Para esse MV, só filmamos a coreografia numa escala um pouco mais chamativa, então recomendamos que vocês assistam a coreografia do grupo no geral como o ponto.

P10. Vocês finalizaram o tour no Japão com sucesso durante os meses de Janeiro até Março, mas quais são suas opiniões sobre isso?

HS: Nós ainda não debutamos no Japão, mas parece que estamos recebendo muito amor de lá, então me sinto muito grato e nós definitivamente iremos retribuir esse amor com apresentações melhores.
JH: Foi uma boa e divertida experiência. Se nós formos para lá de novo, espero mostrar ainda mais empolgação e uma apresentação melhor.
SK: Nós realizamos concertos no Kobe Memorial Hall e na Yokohama Arena, mas como eram nossos maiores concertos solos realizados no Japão depois do nosso debut, foi muito, muito fascinante e eu estava muito feliz.
SC: Me senti como se fizéssemos memórias inesquecíveis com muitos Carats. Nunca iremos esquecer esse sentimento em nossos corações performaremos com responsabilidade.
J: Foi ótimo receber essa quantidade de amor vindo de um país diferente. A comida de lá é deliciosa também. Depois de nos divertimos performando, eu ganhei peso de comer várias dessas comidas gostosas.

P11. A primeira turnê mundial do SEVENTEEN, a , começará em Julho. Quais são as resoluções do SEVENTEEN?

DN: Como essa é nossa primeira vez fazendo uma turnê mundial, estamos ainda mais nervosos e ansiosos por isso. Nos esforçaremos ainda mais nos preparando e tentando mostrar tudo o que pudermos.
SC: Fico realmente animado ao pensar em conhecer Carats de várias nações. Eu estou feliz sabendo que há Carats que querem nos ver tanto quanto nós queremos vê-los, se não mais.

P12. Há algo especial que se pode apenas ver nos shows do SEVENTEEN?

WZ: Acho que a força de cada unit é o que mais brilha nos shows.
HS: Nós ou revelamos novas músicas para fazermos os shows ou mostramos performances que não havíamos mostrado antes; sinto que esses são momentos especiais que podem ser apenas vistos em shows do SEVENTEEN.

P13. O SEVENTEEN está progredindo como idols de tendências globais! Vocês sentem essa sua poopularidade na Coreia e fora dela?

MG: Mais do que sentir a popularidade, é fascinante que há pessoas de longe que nos amam e isso faz com que pensamos que devemos trabalhar ainda mais duro para mostrar a esses fãs músicas e performances melhores.
DK: Nós somos realmente gratos que muitos países estão amando o SEVENTEEN. Graças a esse amor, nós estamos muito felizes e desfrutamos fazer músicas. Continuaremos a ser um SEVENTEEN que coloca ainda mais esforço, se mantém humilde e dá sempre o seu melhor. Muito obrigado aos fãs e amamos vocês~

P14. Poderiamos dizer que 2017 é o ano do SEVENTEEN, mas existe uma meta que vocês desejam atingir com esse álbum?

DN: Saúde está sempre em primeiro lugar!! Oa Carats, também, não fiquem doentes!! Acredito que se conseguirmos isso (de 2017 ser o ano do SEVENTEEN), seria ótimo.
WZ: Desejo mostrar a ainda mais pessoas escutem as músicas do SEVENTEEN. Nós pretendemos trabalhar ainda mais duro para que vocês sintam nossa energia.
T8: Apesar de termos trabalhado duro preparando cada álbum, nesse nós trabalhamos ainda mais. Então espero que receberemos muito amor de muitas pessoas e seria ótimo se 2017 pudesse se tornar o ano do SEVENTEEN!
MG: Eu quero fazer 2017 o ano do SEVENTEEN. Assim, ao pensar em 2017, você associaria ao SEVENTEEN! Nós trabalharemos duro promovendo e mostrando nossos melhores lados.
HS: Desejo que esse ano, todos fiquem saudáveis continuem a estar juntos ao SEVENTEEN.
JH: Esse ano, esperamos que o SEVENTEEN se torne mais conhecido e conseguir mostrar boas performances com esse álbum.
DK: Eu quero mostrar que a música do SEVENTEEN está grauaalmente melhorando e entregar sentimentos divertidos e tocantes a todos com nossa música. Também, trabalharemos duro para nos tornarmos cantores melhores para fazer 2017 o ano do SEVENTEEN.
SK: Eu quero ser reconhecido por muitas pessoas por nossas músicas e performances.
SC: Desejo estar junto a ainda mais Carats. Também espero que nossos Carats e membros estejam felizes enquanto estamos promovendo e não fiquem doentes.
WW: Eu espero ser reconhecimento por mais pessoas como um grupo que faz boas músicas.
J: Eu quero fazer o SEVENTEEN ser conhecidos por mais pessoas.
JS: Meu desejo é similar ao dos outros membros, eu desejo que o SEVENTEEN seja mais reconhecido com esse álbum.
VN: Hehe, devemos fazer desse o ano do SEVENTEEN?

P15. Para cada membro, se você tivesse um desejo que espetem esperanças de que se realize esse ano (qual seria)?

DN: Eu espero que minhas habilidades melhorem um pouco mais e que eu me torne mais maduro. Seria bom se eu não me machucar e sempre estar trabalhar duro.
WZ: Esse ano também, não me machucar, eu quero desfrutar das promoções com saúde.
T8: Mesmo que não seja um desejo que eu quero alcançar, eu quero me tornar uma pessoa melhor comparado com agora. Trabalharei duro e manterei essa meta em mente.
MG: Estar sempre saudável, eu desejo que esse sentimento de felicidade dure um longo, longo tempo.
HS: Eu não tenho muita certeza sobre esse ano, mas quero provar todas as comidas gostosas do mundo!!
JH: Para chamar esse ano de ano do SEVENTEEN, eu espero que os membros do SEVENTEEN não se machuquem, fighting!
DK: Desejo que ninguém fique doente e quero sempre estar feliz de coração durante as promoções. Pessoalmente, minha meta é me tornar um vocalista ainda melhor.
SK: Não se machucar e promover saudavelmente.
SC: Apesar de os membros serem como família agora, seria bom ter um relacionamento ainda mais próximo.
WW: Eu espero que os infortúnios no mundo não aconteçam. Espero que o mundo se torne um lugar onde todo mundo esteja feliz a todo momento.
J: Espero que todos ao redor do planeta possam amar o SEVENTEEN.
JS: Eu estou pouco a pouco me desafiando, mas quero trabalhar nas músicas oficialmente, escrevendo letras e criando melodias.
VN: Eu quero me tornar mais decolado.

P16. Digam algumas palavras aos fãs (Carats) que estavam esperando a um longo tempo por novas promoções!

DN: Por todo tempo que os Carats estiveram esperando, nós desejamos alcançar as suas expectativas! Como dissermos que nos tornaríamos um SEVENTEEN que está sempre melhorando, desejo manter essa promessa.
WZ: Muito obrigado aos nosso Carats que estiveram esperando por nosso comeback. Nós deixaremos vocês ouvirem músicas que não os deixaram envergonhados de forma alguma. Obrigado!!
T8: Obrigado por esperarem por tanto tempo. Eu mostrarei uma imagem melhor e nova assim como vocês estiveram esperando!!
MG: Como esse álbum está cheio de músicas que trabalhamos duro para produzir para os Carats, peço então, por favor, que mostrem muito interesse. Nós nos esforçaremos para promover também~
HS: Carats estiveram antecipando e esperando por um bom tempo, né? Estamos muito empolgados e queremos nos encontrar logo com vocês. Eu normalmente durmo muito, mas recentemente, por conta da performance do comeback e pensamentos sobre ver os rostos de todos, não consigo dormir. Eu até penso “Wow, se você está realmente animado, então isso pode acontecer também!” Por todo o tempo que vocês esperaram, nós não os desapontaremos. Agradeço sempre a vocês!!!
JH: Nossos Carats, eu senti muitas, muitas saudades. Obrigado por sempre incentivarem e acreditarem no SEVENTEEN; nós continuaremos a mostrar lados melhores nossos a vocês. Carat ❤
DK: Obrigado aos nossos Carats por sempre acreditarem e esperarem por nós. Por todo o tempo que vocês acreditaram e esperaram por nós, iremos alcançar essas expectativas. Vamos nos tornar Carats e SEVENTEEN que ficarão juntos por um tempo ainda maior!!
SK: Obrigado por esperarem por nós, nós trabalhamos duro para preparar para nossos preciosos Carats! Por favor, esperem ansiosamente.
SC: Vocês são a razão e a motivação por trás de nossas músicas. Enquanto pensamos nos Carats, trabalhamos duro para criar músicas e performances.
WW: (Provavelmente houve algum erro, pois a respostada dada é exatamente a mesma da pergunta anterior)
J: Nós mostraremos ainda mais lados novos, então esperem ansiosamente por isso!
JS: Nós retribuiremos vocês com uma incrível performance por todo esse tempo que esperaram!
VN: Trabalharei duro até o fim para retribuir a todos. Obrigado sempre!

P17. Por favor, expressem e apresentem o novo álbum em 17 palavras.

SVT: “Por favor, fiquem atentos ao outro lado do SEVENTEEN, um que é charmoso e diferente dos anteriores.”

TRAD
Cor/Ing: BOO_UNIVERSE & eostower
Ing/Pt-br: Andy e Vee – Seventeen Brasil


02/03

Mesmo que ele seja o Maknae do Seventeen, ele sempre recebe comentários sobre ter o poder de dominar o palco como se fosse um enorme dinossauro. O stage name do Dino foi criado baseado na imagem de um dinossauro.

Desde o maternal, eu sempre fui uma pessoa alegre, eu gosto de me apresentar para as pessoas e sempre era o primeiro a levantar a mão para responder a professora. Eu também gostava de brincar de esconde-esconde e de jogos de luta. Eu usava um guarda-chuva e fingia que aquilo era uma arma, e eu um soldado.

Eu sempre estou sorrindo, não importa com quem eu esteja, eu posso olhar em seus olhos e sorrir. Desde pequeno, eu sempre sonhei em ser um cantor. Mesmo que eu não me lembre, minha família diz que eu imito Deux desde que eu tinha 4 anos. Então meu sonho de me tornar cantor foi algo natural.

Quando eu estava no primario, eu participei de um programa de TV chamado “Truth Game”. Eu participei de um episódio em que eu deveria imitar o cantor Rain, que era muito popular na época. Haviam vários adultos participando também e eu usei óculos escuros. Quando a apresentação começou eu gritei “Vamos lá!” e tirei a jaqueta que estava usando. Vários produtores assistiram a minha apresentação e me convidaram para participar de outros programas.

Eu aprendi a dançar com o meu pai. Meus pais gostam muito de dançar e se conheceram no clube de dança de sua faculdade. Eu sempre tive muito interesse em dançar então pedi para meus pais me ensinarem a dançar. Então, haviam vários dias em que eu ficava dançando em casa depois que eu voltava da escola. Meu pai ficava quase 3 horas por dia me ensinando a dançar. Assim eu aprendi vários tipos de dança diferentes, desde hip-hop até popping. Mas eu só fui aprender a dançar oficialmente na primeira série. Após eu aprender a dançar, a ideia de me tornar um cantor, que antes era meio vaga, passou a se tornou mais real.

Eu treinava hip-hop, street dance e outros estilos, além de participar de varias competições. Eu participei de um campeonato de dança juvenil de Jeonju com uma coreografia de robô. Quando eu ganhei um prêmio nesse campeonato, um olheiro me viu e me chamou. Foi a minha primeira vez sendo escalado, mesmo que eu tenha
aparecido em vários programas quando criança e ganhado muita atenção. Eu fiquei fascinado pois eu sempre quis fazer algo desse tipo, mas eu lembro de ter dito a mim mesmo que aquilo seria uma ótima oportunidade.

Cheguei em Seul para ser um trainee e conheci tantas pessoas que dançavam bem e eram cheias de paixões. Eu era confiante dançando, mas fiquei inspirado vendo o quanto as pessoas trabalhavam duro e disse para mim mesmo que eu deveria me esforçar mais. Quando comecei a morar com os outros membros eu ainda estava no ensino fundamental, mas os membros mais velhos cuidavam de mim então era mais fácil.

Algo que eu gostava muito sobre ser um trainee, era quando íamos acampar. Uma vez durante o verão fomos para Gyeonggido, a cidade onde o Hoshi-hyung nasceu. Nós ficamos em uma pousada, andamos de barco, fizemos churrasco e jogamos futebol.
Como eu comecei a minha carreira muito novo, eu nunca tive a vida de um estudante normal. Eu não conseguia ir no cinema assistir filmes ou passar algum tempo com meus amigos. Eu ficava triste por não poder ir pars excursões da escola, mas agora como eu faço parte do SEVENTEEN, eu fico feliz de estar com os meus hyungs.

Meu objetivo atual é, que o SEVENTEEN se torne um grupo que permaneça unido por um longo tempo. Eu acho que o charme do SEVENTEEN é o fato de que nossas músicas expressam nós mesmos. E desde quando nós criamos nossas músicas, obviamente temos que fazer a coreografia também. Assim, nós somos capazes de expressar nós mesmos muito bem durante nossas performances no palco. Em vez de seguir o que alguém faz, eu quero mostrar uma performance com um estilo original por nós. Eu não sou muito bom sendo fofo porque eu sou tímido…. Apesar de eu ser o mais novo no SEVENTEEN, eu não sei como agir como o mais novo, já que eu sou o mais velho em casa e eu tenho um irmão mais novo.

TRAD
jp/cor: _J_Kei
cor/ing: chans0cks
ing/pt-br: Dora – Seventeen Brasil


02/03

Eu nasci em Nova York, nos EUA. Meu pai é coreano, minha mãe é americana. Meu stage name, Vernon, é o sobrenome da minha mãe.

Mesmo tendo morado em NY, eu não lembro claramente pois era muito novo. Meus pais dizem que eu participei num “concurso infantil”. As crianças subiam no palco com seus pais. Todo mundo ficava parado por causa do nervosismo, ficavam perto de suas mães. Mas quando eu estava no palco eu sempre sorria e dava risada. Meus pais pensaram que aquele era um lado meu que eles raramente viam, então eles dissseram “Não sabíamos que no futuro ele estaria se apresentando na frente de tantas pessoas, ou atuando” e eu penso muito nisso.

Tanto meu pai quanto minha mãe são artistas, então desde que era criança sabia muito sobre arte. Em nossa casa, os trabalhos dos meus pais ficam expostos aqui e ali. Durante feriados, eu, meus pais e minha irmã íamos em exibições de arte. Nós também dávamos festas em casa e convidávamos artistas como escultores, músicos e produtores de filmes que eles conheciam. Embora eu não tenha talento nenhum para desenhar como meus pais (risos), desde sempre minha vida é conectada com a arte, e eu gosto disso até hoje. Por causa da forma como cresci, eu sinto que fui muito afetado por isso.

Quando eu estava no primário, eu gostava de brincar na rua, mas havia muito trabalho em casa. Eu estudava numa escola particular, enquanto todos os meus amigos iam para uma escola pública. Por causa disso, nós nos distanciamos e não conseguíamos mais brincar como antes. Então, naturalmente, eu comecei a ler e assistir muitos filmes. Eu também assistia muitos videoclipes de artistas ou curtas pela internet.

Meu favorito era “O Tigre e o Dragão” e “Matrix”. Embora ambos tenham sido lançados antes de eu nascer, em minha casa haviam muitos DVDs e videos que meus pais compravam. Naquela época, eu achava que os filmes de ação eram muito legais, mas recentemente eu reparei que eles têm um significado muito mais profundo. Graças aos meus pais que me deram a chance de assistir filmes bons desde pequeno.

Quando eu era mais novo, tinha o sonho de estudar fora, nos EUA, e aprender sobre filmes. Conforme eu começava a gostar mais e mais de filmes, eu queria me tornar um diretor ou parte do staff que tem contato com a produção cinematográfica.

Na verdade, havia mais um sonho que eu não contava para ninguém. Eu queria aparecer em um filme. Conforme assistia ‘Harry Potter’, com Daniel Radcliffe e Rupert Grint, eu tinha esse pensamento em minha cabeça: “Eu gostaria de poder ser como eles.”

Então quando alguém perguntava sobre meus planos para o futuro, eu escondia minha real esperança e respondia: “Eu quero fazer filmes.” Já que eu venho de uma família de artistas, eu me sentia próximo do sentimento de “fazer algo”, mas eu sentia que ser uma figura pública era uma história de um mundo diferente.

Então minha história de “pessoa pública” começou através de uma coincidência. Eu encontrei uma pessoa na estação de metrô na frente do meu colégio. Eu falei com meus pais, eles me apoiaram e disseram “essa é uma ótima chance, por que você não tenta?”. Então eu pensei: “ah, eles devem ter reparado na minha real paixão há muito tempo.”

Na verdade, eu já havia ouvido sobre K-POP nas ruas, mas não sabia quase nada sobre isso. Eu só dançava quando estava brincando com os meus amigos da escola. Eu não queria mostrar minha dança para ninguém, era vergonhoso! (risos). Então quando me tornei um trainee por quase três meses, era difícil de acompanhar. Eu aprendi como usar minha voz por um professor de canto, mas eu aprendia devagar. As aulas de dança eram divertidas, mas porque as pessoas ao meu redor eram tão boas, eu ficava preocupado. Contudo, eu já havia me acostumado ao cansaço, e eu acho que qualquer trabalho é cansativo de qualquer jeito. Quando eu não sabia algo, eu perguntava para os outros membros e eles respondiam gentilmente. Conforme o tempo passava, eu fui, aos poucos, ganhando confiança em canto e dança. Por que eu comecei a viver no dormitório, eu aprendi muito sobre boas maneiras e como ser parte de uma sociedade. Eu também aprendi sobre construir meu próprio ponto de vista e expressar minha opinião.

Na “hip hop unit”, eu mesmo queria ser parte disso, então eu me esforcei bastante. Eu gosto de hip hop desde o ensino fundamental, ouvindo músicas pela internet. Eu gosto de J. Cole e do GD sunbaenim do BIG BANG, principalmente da sua unit com T.O.P sunbaenim, GD & TOP. Mesmo antes do objetivo da unit ter sido decidido, havia alguns membros que já tinham aprendido sobre rap, e eu os invejava. Então, um dia, o professor que ensinava sobre rap e hip hop apareceu, e eu disse que queria aprender sobre rap também e mostrei algumas letras que eu havia escrito. Ele viu e disse: “Essas letras são boas, você devia participar das aulas de rap.” Eu fiquei muito feliz! Eu gostei muito de estar nas aulas que eu queria. Toda vez que acabava, eu pensava “Eu quero fazer mais.” Eu sou o tipo de pessoa que quando gosta de algo, quero focar naquilo e tentar até o final. Mesmo quando eu estava só no começo, eu pensava “Isso é legal, eu quero fazer isso.”

Quando eu escrevo minhas letras, minha expressão favorita é “divirta-se”. Meu objetivo não é “ser bem sucedido”; meu estilo é mais “vamos fazer isso e aproveitar!” Quando eu comecei a fazer rap, eu não pensava muito em “como brilhar dentre os 13 membros”, eu só queria realmente fazer rap. Recentemente, eu consegui um treinamento pessoal e, faço não só para aumentar minha energia, mas porque eu realmente gosto. (risos)

Os membros do SEVENTEEN são como irmãos para mim. Somos muito próximos. Eu quero aproveitar minhas atividades como membro do SEVENTEEN. Não só nosso papel modelo de grupo que já existe, eu espero que continuemos a fazer atividades juntos e, assim, combinando livremente e criando nossa própria cor.

TRAD
jp/cor: _J_Kei
cor/ing: svtrabbits
ing/pt-br: Lais – Seventeen Brasil


02/03

O lugar onde eu nasci é Busan, mas o lugar onde eu cresci é a ilha de Jeju-do. Eu sou o filho mais novo, com duas irmãs que tem diferença de idade grande. Minha familia recebeu muita fofura (?) enquanto eu crescia. Pois desde criança, eu era repleto de boas energias. Para expressar Jeju-do em palavras: o lugar é cercado de bastante natureza, como o mar e montanhas. No entanto, eu nunca fui ao mar para nadar. Inesperadamente, Jeju-do é grande, e já que eu morava no meio da ilha, na área de cidade, eu costumava jogar futebol na escola primária. A primeira vez que eu cantei na frente de uma platéia foi no meu primeiro ano de escola. Tinha um concurso de músicas de crianças na escola e um representante de cada sala foi escolhido para cantar. Naquela época, eu era o representante da sala e ganhei o primeiro lugar com excelência! Eu ganhei o concurso infantil de canto por seis anos seguidos. Depois disso, eu entrei para o coral infantil da escola e ganhei um prêmio em uma competição em Jeju-do. Eu nunca recebi oficialmente aulas de canto, mas eu praticava muito nas aulas de coral, o que provavelmente me trouxeram esses resultados. Eu escutava uma banda quando estava no ensino fundamental. Embora eu quisesse continuar em um coral, era uma pena que a escola não tinha um. Eu queria cantar, mesmo não sendo em um coral, então pensei em ser cantor em uma banda. Eu cantei com uma banda. Eu gastei muito esforço e tempo cantando e promovendo com essa banda e também fomos em várias competições.

Embora eu gostasse muito de cantar, eu achava que era impossivel e não conseguia imaginar eu me tornando um cantor. Por que eu morava em Jeju-do, que fica longe de Seul. Quando eu falava “eu quero ser um cantor” as pessoas ao meu redor respondiam com “sem chance” (risada). Houveram muitas oportunidades de virar um cantor na ilha. Lá(Jeju-do) era cheio de estudantes, então eu me concentrei em estudar, e como eu gostava de esportes, eu também gostava bastante de basquete. Eu era um estudante aplicado em várias areas (risada). Mas em meu terceiro ano eu recebi um e-mail de procuradores. Era sobre uma competição de canto. Minha professora de artes, que veio me apoiar na competição, me filmou e postou na internet. De primeira eu fiquei fascinado, então achei que fosse mentira. Se eu não tivesse sido procurado naquela epoca, eu teria me tornado um estudante muito aplicado. Antes de me tornar trainee, eu pensava em cantar como um hobby, mas assim que eu comecei a receber aulas, eu percebi que estava falhando em muitos pontos. Então eu trabalhei muito duro. Eu fiquei triste de morar longe da minha familia, quando eu me mudei para Seul para virar trainee. Mas os membros me ajudaram em varias coisas, então eu me ajustei e fiquei bem rapidamente. Desde sempre, eu gosto de deixar a atmosfera boa e de dar força (aos outros). Não importa se é na frente das cameras ou em cima do palco, as palavras que deixam as pessoas felizes e as fazem rir simplesmente saem com naturalidade. Então eu me vejo como o “mood-maker” (“fazedor de atmosfera”) do SEVENTEEN. É claro que não sou só eu, mas quando todos os membros do SEVENTEEN estão juntos, eu acho que isso fica mais forte (risada)

A pessoa que eu mais respeito não é alguém famoso com uma mente brilhante, mas sim, minha mãe, com quem eu tenho vivido há bastante tempo. Minha mãe trabalhou muito a sua vida toda para criar três crianças. Eu me sinto muito grato e orgulhoso dela por isso. Minha mãe é muito boa em cozinhar, especialmente seus caranguejos marinados, são a melhor coisa! Recentemente Jeonghan-ie hyung, que gosta muito de caranguejos marinados, disse “eu quero caranguejos marinados feitos pela mãe do Seungkwan” eu pedi para minha mãe um favor, e ela os mandou direto de Jeju-do. Todos os membros falaram que estava delicioso. Eu quero me tornar famoso e um filho que ela possa se orgulhar logo. (Um artista influente) eu escrevi como “eu mesmo”. Mesmo tendo muitos sunbaenims para me inspirar, eu sinto que o eu individual é precioso, então eu espero que mostrar as cores que somente o Seungkwan do SEVENTEEN tem. Eu sou feliz no SEVENTEEN. Mesmo que nós tenhamos horários apertados e cheios, é bom estar ocupado, eu espero que todos os 13 membros continuem saudáveis. Nosso charme é que os 13 membros são como uma família, nós nos damos bem, fundo nos nossos corações tem paixão e sonhos. Então acho que é por isso que nós somos tão fortes no palco. Pessoalmente, enquanto eu estiver promovendo com o SEVENTEEN, um dia eu gostaria de desafiar um musical. E também estudar linguas estrangeiras! Eu já vi o Seungri, do BigBang, falar Japonês, Chinês e Inglês em programas de variedade. Eu fiquei boqui-aberto e achei incrível! Depois de ver isso, eu senti que precisava me dedicar mais! Desejos são preciosos. Eu vou trabalhar duro e aprender a falar com os fãs de diferentes países, em diferentes línguas!

TRAD
jp/cor: rolco_boo
cor/ing: boo_universe
ing/pt-br: Mari2 – Seventeen Brasil


02/03

Para o stage name The8 eu coloquei o número 8 porque na China ele significa possibilidades infinitas e crescimento. A cidade em que eu nasci e cresci foi Anshan, na província de Liaoning, no nordeste da China.

Antes de ir ao jardim de infância, eu me divertia indo na casa dos meus amigos, mas se encontrasse alguém que eu não conhecia, certamente eu iria me esconder atrás dos meus pais. Eu era uma criança que tinha medo de estranhos. Além disso, meus pais ficaram preocupados pois eu ficava doente frequentemente, então eu acabei aprendendo artes marciais chinesas.

Eu fui capaz de mudar demasiadamente por ter começado a aprender artes marciais. No começo foi difícil gritar com uma voz alta para as competições, mas eu tentei o meu máximo e porque minhas habilidades melhoraram, eu ganhei primeiro lugar em uma competição quando eu tinha 6 anos de idade. Eu comecei a ganhar na liga nacional junior e ganhei muitos prêmios. Deve haver mais ou menos 40 placas e prêmios certificados na minha casa.

Por conta de eu ter um corpo leve, por causa do meu físico magro, eu acho que (artes marciais) foi certo pra mim. Eu ganhei confiança através das artes marciais e isso me fez não ter mais medo das pessoas. Para ser honesto, artes marciais eram minha especialidade mas não minha coisa favorita. É claro, eu também não odiava. Ao invés de começar isso porque eu gostava, eu comecei porque meus pais sugeriram. Eu lembro que pensei “Se eu fizer isso constantemente será bom para mim, então vamos.”

Não foram só artes marciais, eu aprendi muitas coisas além disso também. Cantar, instrumentos chineses, e estranhamente, eu fazia tudo isso bem. Quando eu me pergunto como podia fazer tudo isso bem, eu acho que é pois minha mãe trabalhou duro para me dar uma educação. Minha mãe sempre me disse “Torne-se o 1º em tudo.” Enquanto eu estivesse praticando artes marciais ou instrumentos, minha mãe colaria do meu lado e me daria muitos conselhos. Por conta da minha cidade natal não ser tão grande, minha mãe me levou para uma outra cidade grande, o que levava 1 hora, às vezes 2, para que eu pudesse estudar com um professor distinto. As pessoas a minha volta tinham inveja de mim e falavam para a minha mãe “Ele é uma pessoa extremamente notável.” Eu sou verdadeiramente agradecido aos meus pais que me criaram em um ambiente aonde eu pude absorver muitas coisas.

Durante o ensino fundamental, meus finais de semana eram cheios de lições de canto e artes marciais de manhã à tarde, e porque nos finais de semana eu certamente tinha que estudar eu era extremamente ocupado. De qualquer jeito, no meio de toda a ocupação, eu brincava com os meus amigos. Foi bom que eu pude ser capaz de estar com os meus amigos e fazer coisas com eles desde a minha infância. Olhando para trás, eu acho que minha força de vontade cresceu porque eu tive uma vida muito ocupada na minha infância. Então eu nunca desisto quando começo a fazer algo. Não importa o quão difícil seja, eu posso realizar isso. Eu sou do tipo que faz tudo para conseguir o que gosto.

Me tornei um estudante do ensino fundamental e comecei a ter interesse em breakdance. As músicas eram boas, então eu as escutava e não podia fazer nada a não ser querer dançá-las. Mas por conta de o bairro aonde eu morava não ter um lugar aonde eu pudesse aprender breakdance, eu decidi ir para outro bairro aprender. Eu tentei e era bem legal, eu gostava disso mais do que qualquer outra coisa. Eu me tornei o líder do meu time de breakdance, ensinei os outros membros e fui para a cidade grande aonde as competições aconteciam. Eu comecei a ter pensamentos sobre querer tentar dançar profissionalmente, então meus pais disseram “Decida por si mesmo se quer ficar aqui em seu bairro fazendo ensino médio e estudar, ou ir para longe para a cidade grande por si só para aprender breakdance.” Eu respondi, “Eu quero ir para Pequim aprender breakdance.” Desde aquele dia eu moro sozinho.

Fui escolhido (pelos agentes da empresa) quando comecei a frequentar a escola de artes de Pequim por mais ou menos 3 meses. Quando eu estava dançando na sala de aula, havia alguém me observando pela porta. (risos) A aula acabou e, quando eu estava indo para o lanche, ele falou, “Você gostaria de tentar ir para a Coreia?”

Então, eu vim para a Coreia mas foi um pouco difícil para me adaptar de primeira porque ambas cultura e comidas em Seoul eram completamente diferentes de Pequim. As aulas também eram mais difíceis do que eu poderia imaginar, mas como eu disse, coisas difíceis são ok para mim. Eu pensei que esse fosse meu sonho já que eu gosto de cantar e dançar desde a minha infância. Então eu trabalhei duro pensando “Vamos trabalhar diligentemente já que fui capaz de receber essa oportunidade ótima!” Eu acho que eu me acostumei com tudo isso rápido, já que os membros são pessoas muito legais.

Minha mãe disse, “É bom quando você faz as coisas que você quer fazer. Não se preocupe com a mamãe e o papai.” Meu coração é cheio de gratidão aos meus pais que sempre se preocuparam comigo e me ajudaram.

Se estou em um momento realmente difícil, eu falo particularmente com o outro membro chinês, Jun hyung. Sua personalidade é bem diferente da minha, mas eu pareço saber o que ele está pensando. Ele é um amigo muito bom e nós cuidamos um do outro.

Ouvir que que eu sou “fofo” foi uma coisa inesperada para mim quando eu vim para a Coreia. (risos) Na china, quando eu era focado em artes marciais e breakdance, eu pensava que era do tipo másculo. De qualquer jeito, estando no meio das pessoas me dizendo, “The8 é fofo”, eu pensei “Então é isso? Então meu rosto é fofo~”. Honestamente, eu preferia ouvir que eu sou másculo/legal do que fofo, mas eu sou sempre agradecido às pessoas que me dizem que eu sou fofo. (risos)

Depois de eu seriamente olhei para mim mesmo. E eu pensei, “Pelo motivo de eu geralmente ouvir que eu sou fofo, eu quero mostrar minha aparência legal original.” Para comparar a minha forma, eu acho que eu era originalmente um triângulo afiado. Eu fui para Pequim e comecei a viver sozinho, depois vim para Seoul e enquanto faço atividades com o SEVENTEEN, eu acho que minha forma está se transformando. Mesmo que minha forma mude, no final eu continuo sendo eu mesmo, mas eu quero mostrar aos fãs muitas aparências através do The8 fofo e The8 másculo.

Eu quero que o SEVENTEEN se torne um grupo que tenha sucesso no mundo todo. Eu acho que seria bom se eu pudesse aparecer na TV perto da China com os membros ou fazer um show lá. Por conta de eu eu ter aprendido isso e aquilo com meus amigos na Coreia, se tivermos a oportunidade de promover na China, eu quero liderar o time. Eu eu ficaria lisongeado se o SEVENTEEN pudesse mostrar uma imagem legal e importante a todo o mundo.

TRAD
jp/cor: MooooocciR
cor/ing: junhui_fan
ing/pt-br: Du – Seventeen Brasil


02/03

Meu apelido é Ming-dona-de-casa (risos). Eu frequentemente escuto que eu faço tarefas domésticas bem, e eu fui escolhido pelos membros do SEVENTEEN como ‘a pessoa nº1 que você levaria com você para uma ilha deserta’.

Assim como eu escrevi no meu perfil que a minha especialidade é ‘cozinhar comidas sem nome’, eu não olho para receitas; eu vou, ‘vamos tentar misturar isso e isso’ e mostro a minha imaginação, eu gosto de criar coisas dessa forma. Por exemplo, quando os membros estão fazendo dieta, eles só comem peito de frango, eles rapidamente ficam enjoados de comer a mesma coisa todo dia. Sendo assim, um dia, eu descobri batatas fritas na geladeira do dormitório, eu assei as batatas e removi o óleo, então misturei com peito de frango, arroz e kimchi e fiz arroz frito. Os membros que comeram aquele arroz frito disseram que estava delicioso e ficaram felizes, então isso me fez muito feliz também (risos). No reality ‘Seventeen’s One Fine Day – 13 Garotos Náufragos’, eu misturei macarrão, anchovas fritas, e também preparei um frango cru inteiro e transformei em frango frito. As batatas doces fritas foram muito populares com os membros.

Eu não sou bom apenas em cozinhar, eu também sou bom em pensar em maneiras de consertar coisas. Quando a luz no banheiro do dormitório não ligou, eu peguei a lâmpada no meu quarto e usei como uma substituta; quando o suporte do chuveiro estava quebrado, eu colei um cabide para formar um suporte substituto. Para a vida no dormitório, quer seja lavar a louça suja ou limpar, lavar roupa, etc, eu tomo a liderança em fazer coisas que todos não gostam, eu sinto como se eu fosse ‘Ming-dona-de-casa’ que é responsável pelos serviços domésticos. Quando a sala estava muito imunda, eu disse ‘todo mundo se reúna~!’, e nós limpamos a sala juntos.

Eu acho que minha personalidade tem sido assim desde a infância. Eu tinha muitos amigos, muita curiosidade e vivacidade. Além disso, eu era uma criança que não tinha medo de desafios.

Na pré-escola, eu era muito brincalhão. Mesmo que eu não consiga lembrar as brincadeiras que eu fazia em detalhes, eu me lembro de brincar com meus amigos e me machucar, ou cair e chorar; eu definitivamente lembro que eu estava sempre correndo por aí.

Do ensino fundamental até o segundo ano do ensino médio quando eu entrei na indústria de entretenimento, eu continuei jogando futebol. Eu era um atleta no time da escola, minha posição era atacante. No ensino fundamental, meu time chegou a ganhar o segundo lugar em um campeonato nacional. Mesmo continuando a jogar futebol porque eu gostava, não era tudo. Futebol era só um hobby, e eu pensava que minha maior meta era estudar. Meus pais eram o tipo “Faça o que você gosta de fazer.”, eles não me obrigavam a estudar. Apesar disso, eles diziam, “Se você não decidiu o que você quer fazer no futuro, é importante que sua prioridade seja estudar”. Então, eu estudei muito. Minha matéria favorita era matemática, calcular mentalmente era minha especialidade (risos).

Minha ambição na época das minhas baixas notas no ensino fundamental era ser um policial. Apesar disso, a área que eu tinha paixão naquela época era construir coisas; eu gostava de modelos de plástico (para montar) ou construção ou desenho. No ensino fundamental, eu recebi prêmios por vários concursos na cidade, incluindo receber um prêmio pelo “avião de borracha motorizado”, um modelo voador de um avião feito de borracha. Como eu era novo, eu realmente não pensei direito, eu até pensei “Ser um policial parece mais divertido do que ser um arquiteto”. Se eu não fosse um membro do SEVENTEEN, eu provavelmente seria um designer de moda ou um chef. Atualmente, eu tenho muito interesse em cozinhar, se eu tiver tempo algum dia, eu espero obter um certificado de chef.

Minha chance para debutar veio por um recrutamento. No meu segundo ano do ensino médio, eu estava passando na frente da minha escola, indo para casa depois das aulas acabarem, quando alguém começou um conversa comigo, e então eu recebi uma ligação dizendo “Vamos nos encontrar uma vez”. Você normalmente prepara algo pra uma audição antes de ir, certo? Mas naquele tempo eu não tinha interesse em cantar ou dançar, eu nem conseguia cantar ou dançar. Eu não tinha nenhum interesse na indústria de entretenimento. Eu era do tipo de ficar ao ar livre, então eu não gostava de brincar dentro de casa; eu especialmente não tinha ido para lugares tipo karaokê.

Um secretário (na Pledis) me disse “Está tudo bem se você não consegue fazer nada, só venha aqui e mostre seu rosto”, então eu fui até o fim. Eu lembro de estar tão decepcionado quando eu ouvi “Tente cantar” (risos). Até para dançar, só era eu balançando meu corpo e batendo palma, então eu não pensava que eu ia passar na audição, mas eu fui surpreendido quando uma ligação veio uma semana depois, me dizendo “Você vai começar suas lições a partir da próxima semana”. Depois de consultar meus pais, que responderam, como sempre “Faça o que você gosta”, eu virei um trainee.

Sou da cidade de Anyang, Gyeonggi-do, nos subúrbios de Seul. No Fundamental, eu ia para Seul para ter aulas; quando fui para o Ensino Médio, comecei a viver em um dormitório em Seul. Quando me tornei um trainee, S.Coups, Woozi e Hoshi já estavam lá, essas três pessoas me ensinaram muitas coisas. Todos os dias eram repletos de coisas novas, era uma maravilha. Enquando eu tinha aulas de canto e dança, e vendo eu me esforçar, percebi que “daqui para frente, eu comecei a trilhar o caminho para uma outra vida”. Como não sou tímido com estranhos, acho que sou o tipo de pessoa que consegue se adaptar rapidamente bem a um novo ambiente. Costumes foram agregados a minha personalidade naturalmente brincalhona e cheia de cor, então acredito ter amadurecido minha forma de pensar.

Se eu continuasse a ter pensamentos como “Não tem nada de emocionante em ser cantor”, acho que sequer estaria aqui agora. O motivo da minha mudança foi nós termos feito uma apresentação para alguns representantes japoneses que vieram ao escritório. Eu era trainee há uns três ou quatro meses naquela época e não era muito bom em cantar e dançar, mas gastamos algumas noites juntando nossas forças e nos preparando para essa apresentação. Eventualmente mostramos nossa dança e música, e quando eu ouvi as palavras, “Isso foi legal!”, pela primeira vez eu me senti recompensado. Também me senti realizado como cantor quando fizemos, durante nosso pré-debut, um show para 200 pessoas; eu pensei, “Quero continuar nesse caminho!”.

Agora que eu debutei com os membros, nós tivemos a chance de ir a vários países, incluíndo o Japão, e passamos por coisas muito divertidas. Minha meta atual é fazer com que mais e mais pessoas conheçam o Seventeen. Para isso, quero sempre trabalhar animado, com um sorriso no rosto. Também quero focar minha energia no estudo da língua japonesa. Agora, estou gradualmente tentando usar o japonês que aprendi quando trainee, sempre que lembro. No futuro, como as chances de termos concertos no Japão, provavelmente, aumentarão, estou pensando em começar a estudar novamente.

TRAD
jp/cor: _J_Kei
cor/ing: nutjereon
ing/pt-br: Gabi, Mari e Vee – Seventeen Brasil


02/03

O nome artístico Dokyeom é escrito “道鎌” em Hanja. Significa “fazer várias coisas”, “ter sucesso em vários caminhos”. Experimentar coisas diferentes, eu gosto muito desse nome que combina comigo.

Eu moro em Seul desde que nasci. Desde a infância eu sou muito curioso então estou sempre disposto a encarar desafios. Quando eu estava o jardim de infância, minha mãe foi pegar um copo em cima da TV e derramou café, eu fiquei tão curioso sobre o que tinha dentro do copo. Fico tão fascinado por esse tipo de coisa simples. Eu morava com meus primos e minha família. Tenho boas memórias das vezes em que ia brincar no supermercado atacado do bairro.

Uma coisa que eu gostava muito durante o fundamental era baseball. Desde a 4ª série eu jogava baseball com meus amigos depois que as aulas acabavam. Minha posição era arremessador. Comecei a gostar de baseball quando li o mangá japonês “MAJOR” e gostei do personagem principal, que era arremessador. Eu gosto de futebol também, jogava bastante na escola. Sempre estive cercado de muitos amigos, e gostava quando contava histórias divertidas e fazia meus amigos rirem. Agora eu sou chamado o “mood maker” do SEVENTEEN, mas acho que desde a infância eu tinha esse papel de fazer os outros se divertirem.

Eu aprendi muitas coisas também. Taekwondo, arte, escrita, inglês e piano. Já que eu sou alguém que gosta de atividades que exijam movimento, meus pais me disseram para me familiarizar com coisas que me fizessem ficar sentado na mesa, então me fizeram estudar artes e redação (ri).

Entre as coisas que eu aprendi, inglês é a que eu acho mais divertida. Eu tenho uma lembrança boa com inglês. No meu 3º ano no ensino fundamental, eu fui para uma competição de inglês e fiquei em 1º lugar! Eu memorizei a frase que apresentaria na competição e ensaiei muito em casa antes. A apresentação foi gravada e meus pais assistiram muitas vezes e me deram conselhos. Desde pequeno eu fico bem falando na frente das pessoas então não fico nervoso. Consegui ganhar um prêmio graças ao apoio dos meus pais e eu agradeci a eles.

No fim do fundamental, apesar de brincar muito com os meus amigos, eu também estava ocupado estudando. Com o objetivo de frequentar uma boa escola de ensino médio, acho que houve momentos em que eu estudei com vontade durante os períodos de provas. Ao mesmo tempo, meu sonho era me tornar um atleta. Eu pensava especialmente em me tornar um arremessador de baseball. Além disso, como eu também amo comer carne, eu pensava, “Dono de açougueiro seria okay~”. Eu como uma porção de carne para 6 pessoas sozinho (ri). Então se eu fosse o dono meu estômago estaria sempre cheio de tanto que eu poderia comer carne, eu pensava nisso (ri). Agora que estou promovendo como SEVENTEEN, eu imagino que seria bom abrir o “Açougueiro Dokyeom” (ri).

Eu pensei em me tornar um cantor quando assisti o programa de variedades “I’m a Singer”, onde grandes artistas competem cantando. Da banda de rock coreana que está ativa desde os anos 90, eu pode ouvir Yoon Do Hyun-ssi cantando “Peppermint Candy”. Apesar de eu já conhecer o nome do Yoon Do Hyun-ssi antes disso, foi a primeira vez que eu o vi cantando na TV. Até o oitavo ano, eu não tinha interesse em cantar, mas fiquei cativado pela performance poderosa e cheia de energia que consegue fazer os ouvintes se divertirem do Yoon Do Hyun-ssi, então eu pensei, “Que legal! Eu também quero tentar cantar num palco assim”.

Desde aquele dia, eu sempre ouço as músicas do Yoon Do Hyun-ssi. Mesmo na escola, nos intervalos, eu cantava pelos corredores e nas salas de descanso (ri). Eu continuava cantando, menos nas aulas. Foi um bom treino, cantar todo dia. Eu fui num karaokê com meus amigos e recebi muitos elogios, então fiquei feliz. E para poder aprender a cantar direito eu decidi entrar para uma escola de música. Pela sugestão de um dos professores da escola, eu tentei uma audição. É claro que eu cantei “Peppermint Candy” do Yoon Do Hyun-ssi, e também “This is the Moment” do musical ‘Jekyll and Hyde’ e “This Song” do 2AM. Eu cantei sem ficar nervoso e com confiança. Apesar de não ter nenhum treino em dança, eu pedi conselhos dos meus amigos bons em dançar antes da audição. Éramos como rivais, mas eles me ensinaram bem e eu fiquei muito grato.

Eu realmente gostei da vida de trainee. Eu podia cantar o quanto eu quisesse e gostava disso, porque antes, fosse na escola ou em casa, ninguém estava prestando atenção (ri). Fiquei feliz porque tinha pessoas me ouvindo cantar todos os dias, e pensava, “Quero ir logo para a aula”. Eu na verdade tinha pouca confiança em dançar. Quando eu me assistia dançar nos vídeos eu pensava, “Oh? Não era assim que eu achava que ficaria (ri)”. Desde então, depois das aulas com os membros, eu treinava e trabalhava duro.

Até o debut, eu não sabia mesmo se tinha melhorado então me preocupava um pouco. Essas coisas eram durante o 17 Project, onde você tinha a chance de passar. Enquanto gravávamos tivemos a oportunidade de reunir os membros e conversar. Tínhamos esse relacionamento de ouvir as preocupações e conversar uns com os outros. Nosso trabalho em equipe ficou forte. Não estou sozinho. 13 pessoas são uma equipe. Por eu pensar assim, minha força cresceu e eu ganhei confiança. Até minha forma de pensar mudou para positiva.

No meio das promoções do SEVENTEEN, eu me diverti com o hobby de assistir animes. Desde criança eu gosto de animes japoneses. No ensino fundamental, eu assisti Naruto e quis virar um ninja, e quando eu assisti One Piece eu quis virar um pirata (ri). Ultimamente eu tenho gostado de “Haikyuu!!”.

Eu acho que encontrar o SEVENTEEN foi o destino. Encontrar grandes amigos, e ser capaz de receber muito amor de pessoas através da música que todos fizemos e preparamos, me deixa muito feliz. No futuro também quero continuar seguindo em frente, com as forças de todos os membros, conseguimos fazer muitas músicas únicas do SEVENTEEN, e por isso seria ótimo se recebessemos muito amor. E se eu tiver a oportunidade de atuar e musicais, eu quero tentar. Eu assisti o musical de rock onde o Yoon Do Hyun-ssi apareceu, “Hedwig”, e fiquei impressionado. Se possível, eu gostaria de estar em um musical como “Hedwig”. Meu objetivo é desafiar coisas diferentes ao melhor das minhas habilidades.

TRAD
jp/cor: moooooccir
cor/ing: two_oh_teen
ing/pt-br: Ju – Seventeen Brasil


02/03

Eu sou o líder do Vocal Team e também estou a cargo das composições e produções das músicas do SEVENTEEN.

Durante a pré-escola, eu era do tipo relaxado. Quando perguntam aos meus pais sobre aquela época, a única coisa que vem a mente dos meus pais é “ele era uma criança que dormia muito”. Meu pai era um técnico de boliche, então ele me levava frequentemente a pista; enquanto todos jogavam e faziam barulho, eu estava fazendo barulho roncando ao lado deles (risos).

No entanto, eu comecei a gostar de esportes quando entrei no ensino fundamental e eu me transformei em um jogador de baseball animado. Eu frequentava uma escola pública que era próxima a BornGa de Busan. Era uma escola prestigiada onde muitos jogadores famosos de baseball se formaram, incluindo Lee Daeho, que é atualmente ativo em um time de baseball japonês. Eu devotei minha energia aos treinos de baseball, então eu estava apto a receber preparação profissional. Minha posição era receptor. Eu tentei ser um arremessador e um jogador de primeira base, mas eu achei que ser um receptor era mais legal. Olhando em volta por todo o campo e pensando na próxima estratégia ou mandando sinais para o arremessador e ver minha opinião sendo aceita, aquilo era divertido pra mim.

Surpreendentemente, a academia de inglês foi a minha razão para encontrar a música. Ainda no ensino fundamental, eu comecei a frequentar um curso de inglês onde o pastor de uma igreja era o diretor. O diretor realmente amava música, então ele me ensinou inglês através de música pop. O método de aprender inglês funcionava enquanto eu imitava um cantor cantando. A primeira música que aprendi foi ‘My Love’ do grupo vocal Westlife e, enquanto eu cantava, o diretor me elogiava, sendo isso uma música cristã contemporânea ou The Beatles. Ele me ensinou sobre gêneros diferentes de música músicas e, assim, a aula de inglês rapidamente se transformou em uma aula de música (risos).

Através da esposa do diretor, que era uma clarinetista, eu aprendi a tocar o clarinete durante o final do quinto ano. Eu era viciado nele até o sétimo, então eu apareci em alguns concursos. Depois disso, meus interesses se voltaram a bateria, ao violão, piano, entre outros instrumentos. Minha igreja era embaixo da academia; os instrumentos que o coro usava eram colocados lá, então eu podia estar próximo de vários outros instrumentos naturalmente. Eu também entrei no coro da igreja e lá eu toquei piano, bateria e até o clarinete. Era uma academia de inglês pequena e comum perto da minha casa, mas através da esposa do diretor, eu tive a chance de encontrar muitos instrumentos que, em outra situação, seriam de difícil acesso no meu bairro naquela época, por isso sou muito grato pela sorte que tive.

Fora a música gospel e soul que eu tocava na igreja, eu comecei a gostar do grupo Brown Eyed Soul. A partir dali, meu interesse mudou e eu comecei a ouvir K-Pop (DBSK, SS501, SHINee, etc).

Depois de querer ser jogador de baseball durante a infância decidi que queria ser cantor. Isso, porém, era um segredo para meus amigos. Se eu contasse para eles: “quero ser cantor!” eles provavelmente me diriam “então tente cantar!” Eu já cantava no coral da igreja e já havia subido no palco algumas vezes, mas na frente dos meus amigos me sentia tão envergonhado que não conseguia. Eu tinha um pouco de vergonha. Eu também não tinha nenhuma experiência cantando em festivais escolares e coisas do tipo.

Contudo, no segundo ano do fundamental, eu descobri um pôster de audições nas ruas de Busan que mudaria meu destino. Eu tinha muita vontade de tentar, então convenci meus pais: “Eu irei para Seul para a audição, eu gostaria particularmente de tentar e ver se consigo passar.” Quase na mesma época, eu fui bastante elogiado por outros membros da igreja. Eles diziam que eu cantava bem e tinha talento, mas ainda não confiava em minhas próprias habilidades. Além disso, embora eu estivesse pensando em entrar numa escola onde pudesse aprender música profissionalmente, eu me preocupava pois não sabia como me preparar para a audição. Pensei na audição como uma experiência, para que então eu pudesse saber se deveria seguir a carreira da música.

Portanto, fui para Seul. Saindo da estação onde a audição aconteceria, havia uma seta indicando o lugar exato. Eu segui a indicação e havia muitos participantes ali. A primeira coisa que notei foi: “oh, muitas pessoas também querem se tornar cantores.” Eu reparei que era uma carreira bastante perigosa de se tomar. Na audição, cantei “I’m Yours” do Jason Mraz e “You and I” da Park Bom enquanto tocava violão. Eu aprendi ambas as musicas com meu professor da academia. A pronúncia em Inglês que aprendi desde o meu primeiro ano de primário também foi muito útil!

Quando virei trainee, eu tive muita curiosidade depois da minha primeira aula de canta e dança profissionais, “então é assim que eles fazem”. Minha perspectiva ampliou tão rápido quanto um tiro, cada dia foi fielmente gasto. Como foi o meu primeiro dia aprendendo dança, foi muito difícil acompanhar os outros, mas os sunbaes gentilmente me ajudaram. Para uma criança como eu era, fiquei feliz pelos meus sunbaes serem hyungs e noonas.

Um dia, logo depois que eu virei trainee, eu senti um desejo, “eu quero tentar cantar minhas próprias músicas”. Comecei a compor no ensino fundamental como hobby, enquanto eu tocava um piano ou um violão cantava melodias aleatórias que vinham na minha cabeça. Eu fiz 1-2 canções e mostrei para alguém da companhia e eles disseram: “tente fazer mais algumas”, então eu repeti o processo por tentativa e erro.

Eu gosto de animações, eu as assisti durante toda a minha infância. Quando eu componho, às vezes tiro as minhas inspirações das músicas temas que eu costumava ouvir. Os animes que eu gostava eram One Piece e Naruto. Neles, os personagens juntavam suas forças em um time para superar várias situações, é como se fosse o SEVENTEEN os personagens principais de uma animação também (risos).

Nós 13 também juntamos as nossas forças para fazer nosso álbum. Nós falamos sobre o balanço entre as units antes de decidir o nosso conceito. Como produtor, meu trabalho é ouvir os membros um por um. “Que tipo de álbum o SEVENTEEN quer?”, eu tento colocar a opinião de todos no álbum. Nossa relação entre os membros é muito boa.

Agora, sou extremamente grato com todo o amor que o SEVENTEEN está recebendo. Espero que SEVENTEEN possa virar um grupo que dar energia a nossa geração e até para as pessoas mais velhas. Desde a infância, ganhei energia de ouvir as músicas dos nossos sunbaes na igreja ou ouvindo os shows musicais na televisão e é a razão para que eu tenha nutrido o sonho de querer ser como eles um dia. E também, como o SEVENTEEN tem recebido força dos Carats, eu acho que seria bom virarmos a esperança dos Carats.

TRAD
cor/ing: nutjereon
ing/pt-br: Bia, Lais e Andy – Seventeen Brasil


02/03

Meu papel no SEVENTEEN é “cérebro”. Eu gosto de livros, sejam de mistério, romances históricos, literatura, poesia; eu não escolho baseado nos gêneros, se eu tiver tempo, estou sempre lendo. Depois de ler um livro emocionante, minhas lágrimas não param. Não costumo ser do tipo de chorar, mas quando fico emocionado com um filme ou livro, eu choro muito. Recentemente, eu li 3 dos livros de Higashino Keigo. Na Coreia, ele é muito popular. O que deixou uma marca profunda em mim foi “Namiya Zakkaten no Kiseki” (lit.: Milagre da Loja de Conveniências Namiya). É uma história sobre a comunicação entre o passado e o presente através de cartas, foi muito emocionante.

Minha cidade natal é Changwon, em Gyeongsangnam-do. Eu não lembro muito do jardim de infância, mas uma coisa que ficou na minha memória é um escorregador alto. Eu ia muito ao parque da vizinhança com os meus amigos, foi uma infância muito normal. No ensino fundamental, eu fazia brincadeiras com um bom coração e me divertia com os meus amigos. O mais divertido era depois das aulas, fazíamos competições de desenho no quadro negro. Agora que eu penso nisso, era engraçado e fofo. (ri)

Eu gostava de brincar com os meus amigos, mas eu também gostava de fazer coisas quieto em casa; desde aquela época eu leio muito. Na 1ª série, alguém me comprou a coleção inteira de Records of the Three Kingdoms, e eu li várias vezes. Eu também gostava de resolver problemas em jogos de computador.

Eu comecei a gostar de música no fim do ensino fundamental. A banda de rock Buzz era famosa, então eu me animei com meus amigos e disse, “Vamos tentar ser uma banda também!”, e aprendemos a tocar instrumentos juntos. Eu aprendi violão, meu amigo aprendeu bateria. Eu tinha o sonho vago de “Seria bom fazer um show em Seul algum dia”, então comecei a frequentar uma escola de música. Treinando dança com meus amigos, recebemos até um convite para dançar no ginásio do nosso colégio. Eu não dançava bem na época, mas é uma memória divertida. (ri)

Com a sugestão do meu professor na escola de música, eu fui em uma audição. Eu disse para os meus amigos, “Se eu sonho em ser um artista, com certeza vai ser uma boa experiência,” e fui para a audição com o objetivo de ganhar experiência. No fim, não consegui acreditar que passei. Então eu vim para Seul, e me tornei um trainee a partir do 9º ano.

Na verdade, antes de passar na audição, eu pensei, “Quando eu crescer, quero fazer música livremente com os meus amigos,” ou, “Eu quero viajar pelo mundo”. Eu tinha interesse em muitas coisas, mas eu nunca tinha pensado sobre o que fazer como um emprego futuro. Mas tendo passado na audição, eu criei o objetivo de ser um cantor. Meu pai ficou muito feliz e está me apoiando na minha busca pelo meu sonho agora. Estou sempre preocupado sobre as atividades do SEVENTEEN, então fico procurando meu nome na internet (ri). Meu pai cuida muito e valoriza minha família; no trabalho, ele é alguém que se dedica completamente. Eu o respeito como pai, e olhando para ele como um homem que vive com confiança, eu tenho muito a aprender dele. Pelos primeiros 6 meses no dormitório, tinha tantas coisas que eu não conseguia me acostumar do meu estilo de vida antigo, era cansativo, mas os amigos que se tornaram trainees antes me ensinaram muito, e eu consegui me acostumar depois. Quando eu comecei a ter mais ideia das coisas, eu podia me dar bem cantando e dançando, era como pular uma parede. Eu também me sentia assegurado por ter ganho amigos que faziam isso comigo.

Originalmente, eu ouvia muitos gêneros de música. Eu também gostava de hip-hop, então comecei a fazer rap. Apesar de ser minha primeira vez fazer rap, eu tinha um talento inesperado. Acho que rap combina comigo.

Na minha opinião, o charme do rap é sua letra. Escrever sobre o que você pensa e sente, e expressar isso junto com um ritmo é muito divertido. Você consegue sentir esse charme especialmente quando o rap é natural. Usando literatura como um exemplo, as letras de um vocalista seriam um poema, e as de um rapper provavelmente seriam uma redação.

TRAD
jp/cor: _J_Kei
cor/ing: nutjereon
ing/pt-br: Ju – Seventeen Brasil